Trabalhadores do Judiciário Potiguar entrarão em greve a partir de terça, dia 17
Os trabalhadores do Judiciário Potiguar entrarão em greve por tempo indeterminado a partir da próxima terça-feira, dia 17/03, quando promoverão atos públicos em frente aos fóruns. No dia seguinte, haverá um grande Ato na Praça Sete de Setembro, onde esta situada a sede do TJRN.

O movimento paredista luta pela a não implementação das medidas contra os servidores, anunciadas pela Presidência do Tribunal; pela fixação de uma data-base para a categoria; e pela progressão funcional, conforme lei.

A paralisação foi aprovada por unanimidade nesta quinta-feira, 12/03, em uma Assembleia Geral Extraordinária que contou com a presença de cerca de 500 sindicalizados ao Sisjern. Na ocasião, o advogado Felipe Monnerat, do Escritório carioca Barroso Fontelles, Barcellos, Mendonça & Associados - contratado pelo Sindicato – esclareceu juridicamente questões relacionadas a pauta da greve, bem como outras causas da categoria nas quais o escritório atua.

A greve foi deflagrada após o Pleno do TJRN – nesta quarta-feira, 11/03 -ter aprovado, por unanimidade, anteprojeto que congela a GTNS. Os desembargadores aprovaram também, com apenas um voto contra – do magistrado Jarbas Bezerra - outro anteprojeto, que revoga o Adicional por Tempo de Serviço (anuênio).

Na ocasião, a equipe de foto/filmagem do Sisjern foi impedida de ter acesso à Sessão, sendo escoltada militarmente até à Secretaria de Comunicação do TJRN, quando, depois de um tempo, foi comunicada da proibição de acessar o plenário. Situação semelhante ocorreu com vários servidores, que tiveram negado o acesso à galeria, prática repudiada pela diretoria do Sindicato. Os anteprojetos seguem agora para a Assembleia Legislativa, onde serão apreciados.

Para Bernardo Fonseca, diretor-coordenador do Sisjern, o que ocorreu no Pleno do TJRN mostra que “o presidente e os seus aliados agem para tirar de quem ganha menos e dar a quem ganha mais”. “A Justiça foi esfaqueada e a população é a maior prejudicada”, disse.

Para o dirigente, “está oficializado o período sombrio na Justiça potiguar, com a instauração de perseguições, insegurança jurídica, ilegalidades, burla a decisões judiciais e retirada de direitos”.

Fonseca entende que só a união e a luta da categoria e a força do povo poderão dar um basta “neste regime autoritário”.

“Nossa greve é por dignidade e terá uma relação transparente com a população”, concluiu.

FONTE: Sisjern
Versão para Impressão
© 2007 - FENAJUD. Todos os direitos reservados.
Endereço: SCS, Qd. 01, Bc. K, Ed Denasa, 9º andar, salas 901 e 902 - Brasília DF - CEP 70398-900 | Telefone: (61) 3321-5349 | (61) 3321-0242
Desenvolvimento: Techblu.com.